Tribos das margens do rio Omo "Homens de Kibish" - Etiópia - África

Uma cultura milenar

O rio Omo, em África, atravessa a Etiópia, Sudão e o Quénia.

Foi nas suas margens que os arqueólogos encontraram os "Homens de Kibish" um ancestral de 120 mil anos.

Nesta região africana habitam ainda algumas tribos cujo modo de vida se assemelha à pré-história: Dassanesh, Mursi, Hamar, Karo, Bume e Beshadar.
No vale do Rift, onde se encontra a grande fenda africana que separa geograficamente os negros dos árabes, é uma região vulcânica que fornece uma grande diversidade de pigmentos com uma grande variação de cores. Com estes pigmentos, alguns raros, as tribos do rio Omo praticam a sua arte.
Para a cultura Ocidental, estes seres são verdadeiros génios da pintura, pois os seus traços lembram muito a arte contemporânea de Picasso, Miró, Paul Klee e Tapies.
Estas pessoas pintam o seu corpo à velocidade de um "action paint" de Jackson Pollock.
Em poucos minutos, com uma rapidez impressionante, decoram o peito, seios, pernas e pés.
Não usam pincéis, apenas uma habilidade fantástica com a ponta dos dedos.
Trata-se de uma arte ancestral praticada por todos da tribo: idosos, adultos, jovens e crianças.
A aprendizagem ocorre apenas com a simples observação.
Este povo integra-se perfeitamente na natureza, fazendo parte dela e sendo como ela.
A arte deste povo é praticada por ele mesmo. Não há explicação nem teorias.
Por isso, é arte no mais alto grau de pureza.
Cada indivíduo é motivado apenas pelo desejo. O desejo de ser belo, de seduzir e de exteriorizar o prazer.
Mas, o progresso precisa de energia eléctrica.
Há um projecto de construção de uma barragem no rio Omo para uma central hidroeléctrica que vai gerar energia para Adis Abeba, capital da Etiópia.
Infelizmente, o governo daquele país não está nada preocupado com as possíveis consequências nefastas desta barragem para estas tribos.
O rio terá uma redução para um quinto do seu tamanho e irá acabar com as planícies alagadas que são essenciais para a gricultura tribal destes habitantes.
Esta cultura pura, intacta, deve estar, infelizmente, com os dias contados.
Um povo milenar pode-se tornar miserável em questão de dias.
No futuro talvez tenhamos apenas fotografias deste povo fascinante e da sua riqueza artística, para podermos mostrar às gerações vindouras.
A nova geração da Etiópia terá imensa energia eléctrica para poder apreciar toda esta beleza num computador.
Esperemos que os governantes deste país, ainda muito longe do desenvolvimento, tenha a capacidade para se aperceber que a cultura e as tradições de um povo fazem parte do bem-estar de toda uma nação que se quer desenvolvida e próspera. Fonte: Hans Sysvester e Francisco Folco

6 comentários:

  1. Como fai pra conseguir estas fotos de qualidade??

    Saudos desde a Galiza.

    ResponderEliminar
  2. Simplesmente, fantástico!

    Fotos maravilhosas, que nos mostram uma cultura singular.

    Parabéns pela bela postagem.

    Bjs.

    Rosana.

    ResponderEliminar

Leia as regras:
Todos os comentários são lidos e moderados previamente.
São publicados aqueles que respeitam as regras abaixo:

- O seu comentário precisa ter relação com o assunto do post;
- Em hipótese alguma faça propaganda de outros blogs ou sites;
- Não inclua links desnecessários no conteúdo do seu comentário;
- Se quiser deixar a sua URL, comente usando a opção OpenID.

O estado do tempo

Tempo Lisboa

Veja também outros links:

Parceiros

Tedioso: Os melhores links Uêba - Os Melhores Links À toa na Net Seus links em um só lugar!
Está no seu momento de descanso né? Entao clique aqui!