Como ter grandes ideias

À procura de grandes ideias
Aquilo que diferencia as pessoas comuns de Thomas Edison, Pablo Picasso ou até mesmo de Shakespeare não é a capacidade criativa, mas a aptidão para impulsionar essa capacidade, encorajando e desenvolvendo im­pulsos criativos. A maior parte das pessoas raramente atinge o máximo do seu potencial criativo. Creio que sei porquê e que posso ajudar a de­saferrolhar esse reservatório de ideias que se esconde em cada um de nós.
Comprovei esta teoria no seu ní­vel mais primário em pesquisas de laboratório com pombos: em expe­riências realizadas há alguns anos, eu recompensava-os com comida por subirem para uma caixinha e darem uma bicada numa banana de imi­tação que se encontrava suspensa sobre as suas cabeças. A seguir, en­sinei-os a empurrar a caixa pelo chão e finalmente confrontei cada um deles com um problema: a banana foi suspensa fora do seu alcance, e a cerca de 45 cm do ponto imediata­mente abaixo desta coloquei então a caixa.
Em tal situação, um pombo adop­ta um comportamento muito seme­lhante aquele que nós adoptaríamos. Ao princípio fica confuso, andando para trás e para diante, esticando-se em direcção à banana. Um ou dois minutos depois, começa a empurrar a caixa, parando exactamente no local adequado. Então, sobe para ela e alcança a banana para a bicada.
Se um pombo consegue fazer is­so, imagine as possibilidades de cada um de nós. Um quebra-cabeças cuja solução observei foi o de alguns es­tudantes que precisavam de tirar uma bola de pingue-pongue que caíra no fundo de um cano de escoamento vertical fechado em baixo. Os meios de que dispunham ou eram dema­siado curtos para alcançar a bola ou largos demais para caberem no ca­no, onde também não entrava mão alguma. Por fim, alguns deles fize­ram a ilação «cano = água = flutuar». Deitaram água no cano e a bola flu­tuou até chegar ao cimo. Esta e muitas outras experiências tanto com pombos como com pes­soas sugerem-nos formas concretas de fomentar a criatividade em to­dos nós. Aqui estão as melhores técnicas:
Agarre o transitório.
Uma boa ideia é como uma lebre: passa por nós tão depressa que às vezes só lhe conseguimos ver as orelhas ou a cauda. Para a capturarmos, é preciso estar­ mos alertas. As pessoas criativas es­tão sempre atentas a tudo e esta po­derá ser a única diferença entre nós e elas. Numa carta a um amigo, em 1821, Ludwig van Beethoven narrava a for­ma como pensara num cânone en­quanto dormitava a bordo de um coche. «Mas, mal acordei, o câno­ne já se desvanecera e eu não con­seguia recordar nenhuma das suas partes.» Felizmente, para Beethoven e para nós, no dia seguinte e no mesmo coche, o cânone voltou-lhe à me­mória, e desta vez o compositor ano­tou-o.
Sempre que uma boa ideia venha ao seu encontro, anote-a, nem que seja na mão. Nem todas elas serão válidas, obviamente, mas o que inte­ressa é agarrar a coisa primeiro e desenvolvê-la depois.
Sonhos diurnos.
O pintor surrea­lista Salvador Dali estimulava o seu potencial criativo deitando-se num sofá segurando numa colher. No preciso momento em que adorme­cia, deixava cair a colher em cima de um prato que tinha colocado no chão. O barulho acordava-o e o artista de­senhava imediatamente as imagens que observara nesse mundo fértil do sono parcial. Todos passamos por esse estranho estado transicional e podemos tirar vantagens dele. Experimente o tru­que de Dali, ou permita-se apenas sonhar acordado. Na cama, no banho ou em qualquer outro sítio on­de possa estar sem que os seus pen­samentos sejam incomodados, veri­ficará que as ideias vêm à tona quase espontaneamente.
Procure desafios.
Quando se está preso atrás de uma porta trancada, todas as acções que nos poderão libertar surgem rapidamente: empur­rar ou puxar a maçaneta, bater na porta ou mesmo gritar por socorro. Os cientistas chamam ao recurso de recorrer a antigos comportamentos, numa situação de desafio, «ressur­gência». Quanto mais atitudes ressurgirem, maior será o número de inter-relações possíveis, o que tornará mais provável a ocorrência de no­vas ideias. Experimente convidar para uma festa os seus amigos, colegas de em­prego, gente oriunda das diferentes esferas em que vive. Junte pessoas de duas ou três gerações diferentes. Es­se procedimento vai levá-lo a proce­der de novas maneiras. Edwin Land, um dos inventores mais prolíficos dos EUA, atribuiu à sua filha de 3 anos a ideia que levou à criação da máquina Polaroid. Du­rante uma visita a Santa Fé, no No­vo México, em 1943, a criança per­guntou-lhe por que razão não podia ver a fotografia que o pai acabara de tirar. Ao longo da hora que se se­guiu, enquanto Land andava por San­ta Fé, tudo o que aprendera sobre química veio-lhe à cabeça, com resultados extraordinários. Conta o in­ventor: «A máquina e a película para fazê-lo tornaram-se claras para mim. Apareceram de uma forma tão real no meu pensamento que passei vá­ rias horas para descrevê-las.»
Coloque objectos novos e fora de contexto (como brinquedos infan­tis) na sua secretária. Mantenha sem­pre massa de moldar na gaveta de cima e mexa nela sempre que esti­ver a debruçar-se sobre um proble­ma difícil. Vire as fotografias ao con­trário ou ponha-as de revés. Quanto maior for a diversidade dos estímu­los que recebermos, mais depressa a nossa mente inventará ideias novas.
Alargue os seus horizontes.
Muitos avanços na ciência, na engenharia e nas artes misturam ideias de campos diferentes. Veja o «problema das duas cordas»: duas cordas estão pendura­ das do tecto com uma boa distância entre si. Mesmo não conseguindo alcançar as duas ao mesmo tempo, será possível amarrar as suas extre­midades utilizando apenas dois ali­ cates?
Um estudante universitário des­cobriu a solução quase de imediato: amarrou os alicates a uma das cor­ das e empurrou-a como se fosse um pêndulo. Enquanto esta balançava para trás e para a frente, correu para a outra e levou-a para a frente o máximo que lhe era possível. Depois, apanhou a corda que fizera balançar e amarrou as duas extremidades. Quando lhe perguntaram como resolvera o problema, ele respondeu que acabara de sair de uma aula de Física sobre o movimento pendular. Apenas transferira o que aprendera em determinado contexto para ou­tro completamente diverso.
Este princípio também se aplica fora do laboratório. Uma amiga contou-me como conseguia que os seus dois filhos repartissem um bolo em partes exactamente iguais: «Digo­-lhes que um corta o bolo e o outro escolhe primeiro a parte que quer. Assim, quem corta fá-lo sempre pela metade, para não ficar a perder.»
Perguntei-lhe como lhe ocorrera essa ideia maravilhosa e ela respon­deu: «Foi num programa de televi­são sobre negociações internacionais que vi.» Para desenvolver a sua criativida­de, aprenda algo de novo. Se for banqueiro, aprenda sapateado; se for en­fermeira, tire um curso de Mito­logia. Leia um livro sobre um assunto de que saiba pouco; mude de jor­nal diário. O novo fundir-se-á com o velho em formas novas e poten­cialmente fascinantes. Para se tor­nar mais criativo basta dar atenção àquele fluxo de ideias infinito que a sua mente produz e aprender a agar­rar e a aperfeiçoar o que há de novi­dade dentro de si.

15 comentários:

  1. Como sempre, artigos de excelente qualidade.

    Abraços e parabéns (mais uma vez) pelo Blog :-D

    ResponderEliminar
  2. Muito bom como sempre...

    Gosto imenso dos seus artigos, muito bem seleccionados e sempre oportunos.

    Parabéns

    ResponderEliminar
  3. A busca pela criatividade tem de ser constante e realmente aproveitar todos os momentos de inspiração.

    Bela matéria.

    Abraços!

    ResponderEliminar
  4. Sempre que eu tenho alguma grande idéia ...... acaba vendo que alguém teve antes ... Não da nem praser original.

    ResponderEliminar
  5. Cara, acompanho alguns artigos que você escreve, e sempre tem algo a dizer, mas tenho um probleminha, acho que eles ficam muito compridos na tela e muitas vezes acho que vou desistir de ler até o final, já pensou em criar os textos em parte 1 e 2, ou tentar enxugar o texto sem perder o conteúdo? Fora isso, você está indo bem...

    ResponderEliminar
  6. Olá,

    Seus sempre longos e excelentes artigos. Ótima leitura....

    Abraços,

    ResponderEliminar
  7. KmMad descobri o seu segredo para conseguir nutrir seu Blog conteúdo de valor. O que menos gosto em Blog's é quando acesso e vejo que o post é mera importação de conteúdo da mídia tradicional. Se puder resumir o que li, creio que estamos na velha técnica do "pensar fora do quadrado" ou, como preferia Einstein, não resolver o problema com a lógica do problema, técnica na qual Gandi, aplicando ao extremo a Lei do Foco foi o maior exemplo com o clássico combate da violência com a não violência.
    Uma pergunta KmMad: você escreve a partir de Portugal ou do Brasil?

    ResponderEliminar
  8. Já aconteceu comigo de ter uma idéia legal sobre escrever uma matéria legal, depois esquecer completamente o assunto.

    Não sempre que temos boas idéias devemos aproveitá-la de imediato.

    Abraços
    Donizete

    ResponderEliminar
  9. Oi amigo!
    Excelente texto! As sugestões são perfeitas!Agradeço por me informar de histórias que eu desconhecia como a do pintor Salvador dali, achei genial, bem no jeito dele. Conta-se que o psicanalista Jung concebeu a teoria da sincronicidade num momento em que estava aborrecido e foi fazer castelos de areia, assim distraídamente, lhe veio a idéia.
    Um grande abraço!

    ResponderEliminar
  10. KmMad, seu trabalho é objeto de indicação no DOMINGO É DIA DE BLOG publicado hoje no Dr. Negociação.

    ResponderEliminar
  11. Olá!

    Gostaria de parabenizá-lo por este excelente texto a respeito da criatividade, tanto no que se refere, de um modo geral, à linguagem, quanto ao conteúdo ou à dedicação. Suas ideias de fato me motivaram, de modo que, quase como em súbita transformação, minha crença na criatividade que possuo tornou-se mais que existente ao fim da leitura.

    Obrigado pelo excelente texto e abraços!

    ResponderEliminar
  12. Olá!

    Gostaria de parabenizá-lo por este excelente texto a respeito da criatividade, tanto no que se refere, de um modo geral, à linguagem, quanto ao conteúdo ou à dedicação. Suas ideias de fato me motivaram, de modo que, quase como em súbita transformação, minha crença na criatividade que possuo tornou-se mais que existente ao fim da leitura.

    Obrigado pelo excelente texto e abraços!

    ResponderEliminar
  13. Adorei a materia, conheço a hora que tenho grandes ideias, tanto que sempre durmo com um palmtop na cabeceira da cama. Gostei tanto da materia que peço-lhe permissao para publica-la em meu blog.
    grato helenio.
    http://helenioht.blogspot.com/

    ResponderEliminar

Leia as regras:
Todos os comentários são lidos e moderados previamente.
São publicados aqueles que respeitam as regras abaixo:

- O seu comentário precisa ter relação com o assunto do post;
- Em hipótese alguma faça propaganda de outros blogs ou sites;
- Não inclua links desnecessários no conteúdo do seu comentário;
- Se quiser deixar a sua URL, comente usando a opção OpenID.

O estado do tempo

Tempo Lisboa

Veja também outros links:

Parceiros

Tedioso: Os melhores links Uêba - Os Melhores Links À toa na Net Seus links em um só lugar!
Está no seu momento de descanso né? Entao clique aqui!