Depressão: como agir

Depressão: como actuar atempadamente
Todos os anos milhões de homens e mulheres sofrem de depressão, o que torna esta, de longe, a mais comum das doenças mentais graves em muitos países. Pior ainda, alguns milhares doentes depressivos, incluindo um número alarmante de adolescentes, acabam por suicidar­se muitas vezes, segundo se crê, antes de a sua doença ter sido identificada.
Vários estudos realizados em diversos países, revelam que apenas um terço dos doentes que sofrem de depressão procura tratamento. No entanto, quando tratados, 80 a 90% deles podem ser ajudados através de novos medicamentos e de terapia e podem nunca mais ter manifestações da doença, desde que aqueles que os rodeiam notem a tempo os seus problemas e o tratamento comece prontamente.
A depressão clínica não deve ser confundida com melancolia. Toda a gente passa por breves períodos de tristeza ou de melancolia. E algumas vezes a depressão surge por razões perfeitamente compreensíveis: a morte de um ente querido, a perda do emprego ou o desfazer de um casamento. Mas a maior parte das pessoas adapta-se gradualmente a essas perdas. A depressão clínica difere da melancolia em termos de duração e gravidade. Para algumas pessoas pode estar associada a perturbações bioquímicas ao nível dos neurotransmissores do cérebro.
Nas pessoas com tendência para a depressão, o que aparece como uma reacção normal passa a adquirir um funcionamento bioquímico autónomo. Os sistemas reguladores continuam a funcionar, e a pessoa sente uma perda total de energia e de interesse.
Se não for tratada, dá-se frequentemente uma recaída, e a cada recaída aumentam as probabilidades de mais uma crise. Metade daqueles que passam por uma primeira crise não tratada terão uma segunda, e depois da terceira há 90% de hipóteses de virem a ter uma quarta. Por isso, o tratamento feito logo no início dos primeiros sintomas é essencial.
As perturbações depressivas ocorrem sob duas formas principais. A doença unipolar é caracterizada apenas por manifestações de depressão - desânimo periódico e perda da esperança, indo de situações moderadas a graves. Na doença bipolar (ou maníaco-depressiva), a pessoa oscila entre extremos, com períodos de depressão alternando com outros de grande euforia e comportamento estranho, tal como falar sem parar ou gastar dinheiro irreflectidamente. Por razões desconhecidas, cerca de dois terços dos pacientes da doença unipolar são mulheres. Os casos bipolares distribuem-se mais uniforme­ mente pelos dois sexos. Qualquer de­les atinge todos os grupos etários.
De acordo com os especialistas, os sintomas clássicos de depressão grave incluem:
-->Alterações pronunciadas do sono;

-->Perda de apetite e/ou de peso, ou, pelo contrário, apetite exagerado e aumento de peso;

-->Estados de espírito persistentemente tristes, ansiosos ou «vazios»;

-->Falta de esperança ou pessimismo;

-->Sentimentos de culpa, de incapacidade, de inferioridade;

-->Fadiga ou perda de energia;

-->Pensar ou falar na morte ou no suicídio; ameaças ou tentativas de suicídio.

Existem, no entanto, outros sinais de aviso da depressão que não são tão óbvios e que não correspondem à imagem vulgarizada do depressivo como uma pessoa triste e distante. Muitas vezes, são tão subtis e vagos que são mal interpretados pela família e pelos amigos. Até mesmo os médicos podem não dar por esses sintomas ou então minimizá-los e, no entanto, a identificação atempada dessas pequenas pistas pode significar literalmente a diferença entre a vida e a morte.
Quais são esses sinais mal conhecidos da depressão? A palavra-chave é mudança - qualquer coisa não habitual acerca da pessoa. E claro que uma simples diferença de comportamento isolada não significa automaticamente uma depressão. Mesmo assim, se se observar alguns dos sintomas que adiante se descrevem, quer súbita, quer gradualmente, é porque alguma luzinha se deve ter apagado no cérebro.
Silêncio súbito.
Um jardineiro de 54 anos que vivia na zona norte do estado de Nova Iorque e que normalmente era bastante conversador durante o jantar com a família, descrevendo à mulher e aos dois filhos os acontecimentos do seu dia de trabalho, tornou-se subitamente silencioso à mesa. Noite após noite, não dizia uma palavra. Sempre que a mulher referia esse silêncio, respondia­lhe bruscamente e anunciava que ia deitar-se. Como aquela situação não habitual se mantivesse, a mulher sugeriu-lhe: «Talvez fosse bom ires consultar um médico.» Ele recusou.
Finalmente, cerca de dois meses mais tarde, depois de ler num jornal um artigo sobre a depressão, resolveu procurar ajuda. Em breve, estava a ser tratado a uma depressão grave. Depois de ultrapassada essa crise depressiva, admitiu que a ideia de suicídio «chegou a passar-lhe pela cabeça», mas finalmente a sua vida estava novamente em ascensão. Geralmente, a pessoa deprimida afasta-se do contacto com os outros e quer estar só com os seus pensamentos mórbidos de auto-acusacão. Contudo, muitas vezes acontece que o ou a doente cumpre mecanicamente as suas tarefas do quotidiano, especialmente no emprego, de modo que o «afastamento» pode não ser completamente evidente.
Exagerar pequenos nadas. «o meu chefe não veio ter comigo para me cumprimentar», queixava-se o marido à mulher, depois de uma festa no escritório. «Se calhar, está zangado comigo.» A mulher argumentou que ele também não atravessara a sala para ir falar ao chefe. E também lhe fez notar que o local estava apinhado de gente e que o chefe só lá ficara durante muito pouco tempo. Mas o marido não se deixou convencer.
A um nível muito subtil, aquele que sempre viu o copo meio cheio passa a vê-lo meio vazio. Pequenos factos que antes teriam parecido perfeitamente insignificantes passam a ter muita importância e a tornar-se motivo de grande preocupação.
Esquecimentos.
Quando uma secretária, residente em Coimbra (Portugal), trabalhava numa empresa de fotocópias, começou a ficar cada vez mais esquecida. Tinha de verificar as moradas e as entrevistas mais de uma vez e chegou mesmo a ter de parar o carro na berma da estrada para se lembrar aonde ia. «Disse ao meu médico que julgava ter a doença de Alzheimer, embora estivesse apenas na casa dos 40», afirmava ela. «Ele pediu-me para contar de diante para trás e para dizer de cor algumas coisas mais, e depois disse-me: «O seu caso é apenas uma questão de stress. Vá para casa e descanse.» Este médico não procurou ir mais fundo, e, não muito depois, a depressão atingia-a. No entanto, mais tarde, tratou-se e recuperou.
Irritabilidade.
Um director de enfermagem em Paris, estava a falar com uma enfermeira cujo marido não queria que ela trabalhasse de noite. Em vez de discutir o assunto, o director retorquiu com brusquidão: «O que é que ele quer? Ele não sabe que as enfermeiras trabalham de noite? Por que se casou então com uma?» A irritabilidade e a cólera são o manto com que os depressivos muitas vezes disfarçam a sua tristeza e isolamento. Infelizmente, uma resposta colérica ou irritada ainda torna as coisas piores. Os outros podem ripostar no mesmo tom, transformando uma discussão sem grande importância numa verdadeira «tempestade». Resultado: a pessoa deprimida sente-se pior a respeito de si mesma, tornando a depressão ainda mais acentuada.
Refúgio na rotina.
Um homem cujas paixões eram o teatro e o baseboI começou a ficar em casa, mantendo a sua actividade limitada a uma rotina estabelecida. Quando a mulher lhe sugeriu a ida a um determinado espectáculo, recusou com brusquidão. Este comportamento era nele tão fora do normal que a mulher resolveu consultar o médico da família, que, após a confirmação de outros sintomas, começou a tratá-lo de depressão. Um primeiro sinal é quando uma pessoa que sempre foi dinâmica e interessada por diversas actividades passa a ter uma atitude passiva e a refugiar­se no banal quotidiano.
Aspecto descuidado.
Uma directora de uma Clínica de Medicina Comportamental dos Serviços de Saúde de Stanford, na Califórnia, fez notar que o facto de uma pessoa começar de repente a desinteressar-se pelo seu próprio aspecto pode ser um sinal da doença. «Pode acontecer que uma pessoa que sempre teve grande preocupação com o seu aspecto e um cuidado extremo com a maneira de vestir passe de repente a desinteressar-se de tudo isso e a mostrar-se desleixada», afirmou. «Isto pode ser um sintoma de depressão - uma perda de interesse ou de prazer, uma ausência de atenção por si mesmo.»
Indecisão.
Uma mulher começou a ter dificuldade em escolher o que queria comer nas listas dos restaurantes. «Escolhe por mim», dizia ao marido. Do mesmo modo, em casa e com o telecomando na mão, não conseguia tomar uma decisão sobre o canal de TV que queria ver. A indecisão acompanha muitas vezes a falta de concentração dos pacientes com depressão; às vezes, é o único sintoma. Tomar decisões torna­se um fardo excessivamente pesado.
Dores misteriosas.
As pessoas deprimidas podem queixar-se de dores no estômago, nas costas e de outra situações de desconforto que não respondem a tratamentos. As queixas mais vulgares, são as dores e a rigidez musculares e na maioria das vezes torna-se necessário um exame médico completo.
Euforia súbita.
Algumas vezes, uma pessoa mantém-se no mais profundo desespero durante semanas ou até meses e um dia, sem mais nem menos, sai dessa situação e aparece como que liberta. A família pode, enfim, descansar, pensando que o pior já passou. Na realidade, este pode ser o período mais perigoso, exigindo mais, e não menos, vigilância. As «melhoras» podem querer dizer que, após ter procurado, sem sucesso, uma saída para aquilo que pensa ser uma situação sem esperança, o paciente pode ter-se decidido pelo suicídio. As supostas «melhoras» podem reflectir alívio por, finalmente, ter tomado uma decisão sobre o que fazer.
Como ajudar.
O que deve fazer se reconhecer, de maneira persistente, um ou mais destes sintomas num familiar ou num amigo?
Em primeiro lugar, deve falar com essa pessoa sobre o assunto. Tentar descobrir o que ela sente. Se não conseguir convencê-la a discutir o problema, tente uma abordagem do tipo «Fazes-me lembrar o tempo em que estive com uma depressão». Isto pode fazer que ela se abra.
Em segundo lugar, sugira ajuda profissional. Marque-lhe mesmo uma consulta médica, se necessário, e acompanhe a pessoa se lhe parecer que se justifica. Depois, vá acompanhando o caso para se assegurar de que ela toma os medicamentos e vai às consultas. Com antidepressivos, alguém que esteja gravemente deprimido normalmente regista melhoras dentro de quatro a seis semanas. O recurso à psicoterapia requer mais tempo. Muitos médicos utilizam uma combinação dos dois sistemas. Pode, no entanto, acontecer que ao fim de seis meses não haja sinais de recuperação e que seja necessário recorrer durante mais tempo à medicação.
Em terceiro lugar, dê apoio emocional. Não ofereça soluções simplistas, como «Amanhã as coisas estarão melhor». Ajude a pessoa a centrar-se em actividades que ainda lhe agradam - jogar ténis, fazer jardinagem - e a afastar-se das que aprofundam a depressão. Escute-a com compreensão, chame-lhe a atenção para as realidades da situação e manifeste sempre esperança. Sobretudo, não ignore as ameaças de suicídio ou conversas sobre a mor­ te. Considere estas ameaças sérias e não se limite apenas a uma atitude compreensiva.
A depressão é uma doença incapacitante. Mas com uma pequena ajuda de amigos ou familiares atentos e tratamento médico adequado, a maior parte das pessoas cura-se e volta a ter uma vida activa e saudável.

10 comentários:

  1. Muito interessante. Penso que no meu Blog poderão encontrar informação para complementar ...

    http://terapiassexuais.blogspot.com

    ResponderEliminar
  2. Oi,


    Gostei muito do seu texto sobre depressão, tenho 1 amigo que tem esse problema e vou passar esse link pra ele, tks , beijos

    ResponderEliminar
  3. Gosto muito dos assuntos sobre os quais você escreve. São interessantes e esclarecedores.
    Muito bom.

    ResponderEliminar
  4. Já tive depressão e tive que aprender a deixar o orgulho de lado e usar os medicamentos que estão a disposição para ajudar. Claro que com orientação de um psiquiatra.

    Parabéns pela excelente matéria!
    Abraços

    ResponderEliminar
  5. Minha mãe tem depressão há muito tempo..
    As vezes ela ta boa as vezes ta ruin..já fizemos consultas com psiquiatras, psicólogos e etc, porém ela sempre tem recaidas..ela ja tentou suicídio várias vezes e graças a Deus nunca foi bem sucedido!!
    Atualmente ela esta em crise..está muito mal..as vezes ela diz que vai melhorar.. outras vezes diz que a solução pra ela é a morte!! Ela toma medicamento, mas eu não sei mas o que fazer..
    Estamos tentando reanima-la,mas ela criou um ódio, uma raiva de algumas pessoas principalmente do meu pai..culpa ele de tudo..e é muito difícel ter que escutar tudo!!
    Gostei da sua matéria..apesar de eu já saber de quase tudo..ler ela me deu mais ânimo!!

    Parabéns!!

    Abraços

    ResponderEliminar
  6. Gostaria de acrescentar algo que percebi por experiência própria. As pessoas bipolares podem ser ostis com seus companheiros e pessoas que a amam. Uma tolerância equilibrada com técnicas para induzir o outro a reflexão, podem ser eficazes.

    ResponderEliminar
  7. eu tenho depressão e tenho vontade de me matar,eu sinto que eu sou um estorvo para meu marido e meus filhos não tenho passiencia pra nada não sei oo que fazer ja procurei o medico mais não adiantou muito me ajudem ante que eu acabe fazendo algo que deixara minha familia muito

    ResponderEliminar
  8. Depressão Reativa,como devo ajudar e como agir com uma pessoa com este problema?

    ResponderEliminar
  9. Tenho um amor que está com depressão por umaperca muito grande sua esposa a qual ele foi muito bem casado durante 25 anos más ele não quer ir ao médico e eu quero ajudar só não sei como!! Por favor me ajudem pois o amo muito eele tem dois filhos maravilhosos

    ResponderEliminar
  10. eu tenho depressao nao sei como fazer para nao deixar minha familia proculpada mim ajudem.

    ResponderEliminar

Leia as regras:
Todos os comentários são lidos e moderados previamente.
São publicados aqueles que respeitam as regras abaixo:

- O seu comentário precisa ter relação com o assunto do post;
- Em hipótese alguma faça propaganda de outros blogs ou sites;
- Não inclua links desnecessários no conteúdo do seu comentário;
- Se quiser deixar a sua URL, comente usando a opção OpenID.

O estado do tempo

Tempo Lisboa

Veja também outros links:

Parceiros

Tedioso: Os melhores links Uêba - Os Melhores Links À toa na Net Seus links em um só lugar!
Está no seu momento de descanso né? Entao clique aqui!