Profecias, presságios e superstições célebres

Homens célebres e superstições
Muitas são as histórias que se contam sobre superstições. Sobre este assunto, existe em Espanha uma famosa piada, em que um sujeito diz: "Yo no creo en brujos, pero que los hay, los hay" que podemos traduzir das seguintes formas: "Não acredito em fantasmas, mas que eles existem, existem!" ou " Não acredito em bruxas, mas que elas existem, existem!".
Era mais ou menos esse o caso de Napoleão Bonaparte. Ele não gostava de adivinhos, que chamava de charlatães, mas, mesmo assim, tinha as suas superstições. Ora vejamos: num dia de Janeiro de 1794, em Marselha, Napoleão deixou que uma cigana lhe lesse a sina. Ela então dise-lhe: "Cruzará os mares, regressará e será maior do que nunca". A profecia deu certo, mas Napoleão não ligava muito a essas coisas. è que ele era um fatalista, isto é, achava que o destino de cada criatura humana já estava traçado de antemão. Tanto que se recusava a tomar os remédios que os seus médicos lhe receitavam. Para Napoleão, a rópria guerra tinha muito de jogo de azar; nos seus planos militares não tentava prever tudo, deixando boa parte ao imprevisto e ao acaso.
Mas em duas coisas ele acreditava: em presságios e na sua boa estrela. Quando chegou a Burgos, na Espanha, em 1808, a primeira notícia que teve foi má. Bastou isso para acabar com a alegria do conquistador francês. A partir daí, Napoleão ficou apreensivo.
A outra coisa em que Napoleão acreditava era que havia uma estrela nova na constelação da Virgem, e que essa estrela lhe aparecia nos momentos mais importantes da sua vida. Quer dizer: no fim de contas, ele era supersticioso como qualquer simples mortal!...
O Kaiser Guilherme II, da Alemanha,também tinha as suas crendices nos mistérios do Além. Ele acreditava piamente que o anel que usava, dos seus antepassados, assegurava a continuidade da sua dinastia real. Havia até uma lenda para justificar esse facto. Um ancestral seu, Jorge Frederico-Carlos, fora enterrado com esse anel, e um dos seus ramos familiares, a casa dos Hohenzollern, extinguiu-se em 1806 por falta de descendência masculina. O outro ramo também iria terminar, pois o rei frederico Guilherme II só tinha uma filha até então. Aí aconteceu o seguinte: um dos seus camareiros, por três noites consecutivas, sonhou com o anel de Jorge Frederico-Carlos. Avisou, então, ao rei que era necessário recuperar o anel!... do túmulo.
Dito e feito. Assim que o monarca passou a usar o anel, teve um filho varão, que seria mais tarde o bisavô do Kaiser Guilherme II e, a dinastia acabou por não se extinguir.

O célebre escritor escocês Walter Scott, autor de Ivanhoé, tinha uma curiosa superstição enquanto estudante. Sempre que precisava de recitar uma lição, apertava um botão de madeira do seu casaco. Pois, é que naquele tempo (século XVIII) acreditava-se que tocar na madeira dava sorte. Um dia, os seus colegas resolveram pregar-lhe uma partida: cortaram o botão do casaco sem que ele se apercebesse. Na hora de dizer a lição, segundo o próprio Scott, ele "fracassou vergonhosamente"...

Às vezes, a superstição acompanha até o pensamento de alguns sábios e cientistas. Por exemplo: consta que Freud, o criador da psicanálise, acreditava em numerologia. Também na Inglaterra, todas as unidades militares acreditam que ter uma mascote lhes poderá trazer boa sorte contra maus presságios. Assim, todas têm a sua mascote. Trata-se de algo que é levado muito a sério pelos ingleses, de tal forma que a posse desses animais mascotes é considerada pelo Ministério da Defesa Britânico como um direito dos seus regimentos. Por isso, até um burro, um cão, um gato ou outro bicho qualquer pode ter a sua folha de serviços e aparecer na ordem do dia dos quartéis ingleses. Consta que as cabras são os mais antigos animais que já "sentaram praça". Os regimentos franceses usavam cabras brancas como mascotes, costume esse ainda conservado nos regimentos ingleses, onde a cabra mascote é tradicionalmente chamada de Billie.

Algumas das mais célebres curas de superstições

Há quem acredite tanto em superstições, que crê igualmente em curas para as mesmas. Na Idade Média, especialmente, a saúde era muito ligada a superstição, e a medicina tinha muito de feitiçaria. Muitas dessa práticas ficaram até a actualidade. Em certas regiões acredita-se que o orvalho da noite de São João tem um poder miraculoso. Na Sicília, é considerado um óptimo bálsamo para feridas. Em Veneza muitos curam queimaduras duma forma algo engraçada. Amarram-se ao tronco de uma árvore, dizendo três vezes sem tomar fôlego: "Aí te ponho e aí te deixo". Noutras regiões cura-se a dor de cabeça de um jeito ainda mais cómico: esfrega-se um fio na cabeça do paciente. Depois, ele é atado a uma árvore (o fio não o paciente...). Aí, o primeiro pássaro que pousar na árvore levará a dor de cabeça embora... Os antigos egípcios usavam um sistema curiosa. Os enfermos passavam uma noite no templo do deus Serapis que, durante o sono, "receitava" o remédio salvador. No Brasil também existem vários remédios populares de origem portuguesa, como a água-panada, por exemplo. É uma infusão feita com pão bem seco e água para curar males intestinais. Outro, para curar azia: dizer três vezes "Azia, Ave Maria". E a oração: "Santa Iria/temtrês filhas;/uma fia, outra cose/ e outra cura/ o mal da azia". Para tirar um cisco do olho, há dois recursos. Um é esfregar a pálpebra e dizer três vezes: "Vai-te, argueiro (cisco), pro olho do companheiro". Outro modo mais simpático e científico: coloca-se uma semente de alfavaca na pálpebra, que então é esfregada. A semente de alfavaca liga-se ao cisco, que é retirado facilmente.

Veja também: (Clique aqui) Crenças populares para atrair a boa sorte As mais belas lendas do Brasil

Superstições. amuletos e talismãs

Superstições: a sorte e o azar no mundo animal

Amuletos brasileiros

Superstições: o significado do número quatro

2 comentários:

  1. Está muito fixe. Gostei. As imagens estão bem conseguidas. Parabéns Km.

    ResponderEliminar
  2. A supertição pode até funcionar, pois o pensamento é muito forte e se a pessoa acredita com força vai parecer que foi coisa do além.

    ResponderEliminar

Leia as regras:
Todos os comentários são lidos e moderados previamente.
São publicados aqueles que respeitam as regras abaixo:

- O seu comentário precisa ter relação com o assunto do post;
- Em hipótese alguma faça propaganda de outros blogs ou sites;
- Não inclua links desnecessários no conteúdo do seu comentário;
- Se quiser deixar a sua URL, comente usando a opção OpenID.

O estado do tempo

Tempo Lisboa

Veja também outros links:

Parceiros

Tedioso: Os melhores links Uêba - Os Melhores Links À toa na Net Seus links em um só lugar!
Está no seu momento de descanso né? Entao clique aqui!