Superstições: amuletos e talismãs

Superstições: o que são?
O que são afinal superstições?
São várias as pessoas que não gostam de superstições, mas são, igualmente, muitas outras, talvez até mais, as que acreditam em superstições.
Superstição é uma espécie de crença no poder mágico de certas coisas ou factos, mas sem qualquer fundamentação científica. Por exemplo: muita gente não é capaz de passar por baixo de uma escada, pois julga que isso dá azar. Porém, não existe nenhuma lógica para provar isso!
A sexta-feira 13, por exemplo, é uma das superstições mais difundidas, pois há quem acredite que se trata de um dia agourento. Essa crendice é mais popular entre os cristãos. A razão disso é o facto de Jesus Cristo haver sido crucificado numa sexta-feira e de que, na última ceia, havia treze pessoas à mesa.
Deve-se aceitar essa superstição?
Em 1936 uma firma de seguros publicou a relação dos acidentes ocorridos nos últimos cinco anos, na Inglaterra. Pois bem: o dia em que ocorreram menos desastres havia sido a tão caluniada sexta-feira! E o domingo, tão respeitado, fora o dia em que tinha havido mais acidentes!
Outra estatística foi feita pelo jornal norte-americano Norfolk Behavior: Colombo partiu para a sua famosa expedição numa sexta-feira, dia 21 de agosto de 1492. No dia 12 de outubro desse ano, uma sexta-feira, avistou terra pela primeira vez.
Em 14 de março de 1493, sexta-feira, chegou a Palos levando a boa nova.
No dia 23 de novembro de 1493, sexta-feira, chegou a Hispaniola, realizando a sua segunda viagem. E foi também numa sexta-feira, em 13 de junho de 1494, que ele desvendava o Novo Mundo.
Quer dizer: a sexta-feira não é tão azarada assim, não é mesmo?
Em Portugal, mais propriamente na capital, Lisboa, o 13 de Junho é feriado e festejam-se as festas da cidade, no dia dedicado a santo António. Será que os lisboetas deixarão de festejar as tão afamadas festas da cidade caso o dia 13 corresponda a uma sexta-feira? É evidente que não. Festa é festa e as superstições, neste caso, parecem não existir mesmo.
Existem tantas superstições por esse mundo fora que certas pessoas chegam mesmo a irritar-se com essa situação. dizem elas: como é possível aceitar essas crendices numa era científica como a nossa?
No ano de 1932, alguns ingleses que pensavam assim resolveram fundar, em Londres, um clube com a única finalidade de chatear os supersticiosos. Ou seja, faziam tudo o que a crendice popular diz que "dá azar", só para demonstrar que isso não passa de um perfeito disparate.
O dia das reuniões, por exemplo, era às sextas-feiras, dia da semana que muitos acham de mau agouro. Davam banquetes nesse dia e sempre com treze sócios à mesa. Não havia porta-chapéus. Assim, todos eram obrigados a deixar os seus chapéus sobre a cama - o que dá um tremendo azar, segundo os supersticiosos.
Entornavam sal na mesa, punham as facas em cruz, e por aí fora.
Sempre que o calendário anunciava uma sexta-feira e um dia 13, organizavam excursões para esse dia...
Quando o clube foi inaugurado, os jornais publicaram a foto de treze risonhos senhores ao redor de uma mesa, alguns empunhando guarda-chuvas... abertos, o que, segundo os supersticiosos, é um verdadeiro perigo!
Porém, existem muitas pessoas que levam bastante a sério isto das superstições e durante as 24 do dia levam essas questões muito a peito. Ora vejamos alguns exemplos de crendices populares para com o intuito de atrair a boa sorte:
1) Deitar com a cabeça em direcção ao Norte para não ser enganado; deitar com a cabeça para o Sul para ficar rico, pois o ouro e as pedras preciosas vêm do Sul; deitar com a cabeça para o Leste para ficar sábio, pois a luz vem do Oriente; e, finalmente, deitar com a cabeça para o Oeste para trazer viagens bem sucedidas: Colombo, Magalhães e outros descobridores partiram na direcção do Ocidente...
2) Na hora de acordar, abrir primeiro o olho direito, que é o símbolo do trabalho: isso trará êxito nos negócios. E se quiser ver tudo com clareza e não ser enganado por ninguém, abra os dois olhos ao mesmo tempo, ao despertar.
3) Se você colocou as suas meias do avesso, não se preocupe: isso é sinal de que vai receber boas notícias.
4) Se você comer ovos pela manhã, não se esqueça de quebrar a casca com uma colher. Assim, não lhe faltará dinheiro.
5) Se sentir um zumbido na orelha esquerda, isso significa que estão a falar bem de si; na direita, que você está sendo caluniado.
6) Ao levantar da cama - e ao sair de casa - procure dar o primeiro passo com o pé direito. Entrar num lugar com o pé direito dar-lhe-á o dom de atrair a boa sorte e a felicidade.
Também muitas pessoas, com a intenção de afastar o mal e atrair a boa sorte, usam no seu dia-a-dia amuletos e talismãs.
O amuleto é um objecto usado como protecção mágica, para afastar as influências más. O uso do amuleto vem desde que o mundo é mundo, sendo conhecido em muitas civilizações.
Os antigos egípcios usavam inúmeros amuletos; os hebreus também, e neles costumavam guardar textos sagrados. Os cristãos do século IV usavam amuletos em que ocultavam versos bíblicos. Os materiais utilizados em amuletos podem ser muito diversos: desde dentes de animais até pedras preciosas. Às vezes ostentam gravações de símbolos, como a roda do deus-sol.
Mas, se o amuleto defende o seu possuidor, o talismã vai um pouco mais longe. Segundo a tradição, o talismã dá ao seu possuidor um poder mágico activo, que favorece a realização de inúmeros desejos. Eram talismãs: o lendário anel ou selo de Salomão; acreditava-se que este anel tinha o poder de dominar anjos, gigantes e demónios e, também, a lâmpada de Aladino.
Aladino, o tal da lâmpada maravilhosa, trata-se de um dos mais populares heróis das famosas Mil e Uma Noites, colecção de contos e lendas da literatura árabe.
A história é mais ou menos assim: Aladino entra na posse de uma lâmpada mágica que, ao ser esfregada, liberta um poderoso génio, que cumprirá todas as ordens do seu possuidor. Aladino usa, então, a lâmpada para satisfazer todas as suas necessidades e as de sua mãe.
Um dia, Aladino vê passar a bela filha do sultão e apoixona-se. Mas o pai da jovem faz exigências descabidas para dar a mão da princesa aos seus pretendentes. Por exemplo: construir, de um dia para o outro, um palácio com 24 janelas feitas de pedras preciosas. Com a ajuda da lâmpada maravilhosa, Aladino realiza todas as proezas e conquista a sua amada princesa.
Deste conto surgiu a expressão: "lâmpada de Aladino", significando um método para satisfazer todos os desejos.
O uso de um pata de coelho. Muita gente acredita que usar um pata de coelho dá sorte. como esse animal se multiplica rapidamente, virou um símbolo de poder e fertilidade. Além disso, o homem primitivo via na terra a fonte da vida. E a parte mais sagrada do corpo era aquela que ficava em contacto com a terra. Por isso, os pés e as pegadas tinham significado místico. Uma coisa puxa a outra, e isso talvez explique por que o pé do animal mais fértil acabou tendo fama de trazer boa sorte.
Os antigos negros do Sul dos Estados Unidos da América consideravam o coelho uma espécie de bicho sobrenatural, o mais esperto de todos. Muitos acreditam tanto no poder mágico do pé de coelho que chegam a usá-lo até como amuleto contra doenças em geral.
Também o uso de uma ferradura parece ter um poder mágico. Segundo a tradição popular isso deve-se a três causas: o seu formato, a sua ligação com o cavalo e o facto de ser feita de ferro.
O formato da ferradura lembra o da lua crescente, e esta é venerada em muitas regiões. Por sua vez, o cavalo é considerado como uma defesa forte contra o mau-olhado, especialmente na Arábia, Espanha e Alemanha. E quanto ao ferro que compõe a ferradura, é crença antiga que ele tem a virtude de repelir as bruxas, os duendes e os maus espíritos.
Mas, a lista de amuletos, ou seja de objectos usados para afastar o mal, é quase interminável. Eis mais alguns exemplos: cabeças e dentes de alho, amêndoas, âncoras, chifres de carneiro, galhos de arruda, víboras, caroços de tãmara, castanhas, cebolas, chaves, garrafas, cavalos-marinhos, dentes de javali, lagartixas, nós, vassouras, sapos, tesouras e mil e um coisas estranhas!
Os hindus usam um tradicional amuleto: pequenas esferas em colares, contendo milhares de elefantes pequeniníssimos esculpidos em marfim!
Outro amuleto curioso é usado no Japão: a estatueta de um gato sentado estendendo a pata direita para a frente. Chama-se maneki neko, isto é, "o gato que convida".
Na América Latina acredita-se que os dentes de jacará protegem a dentição da criança.
Depois de tudo isto, afinal não se pode culpar que muitas pessoas tenham a cisma por muitos objectos que crêem trazer-lhes boa sorte e afastar o mal.
Superstições? Afinal quem as não tem? Você? Será que não?
Veja também: (Clique aqui)

5 comentários:

  1. Olá a todos!

    Superstições existiram e vão sempre existir, porque como tudo, vão sendo transmitidas de geração para geração. Algo que todos nós sabemos e que vamos transmitir sempre porque por mais que acreditemos "ah isso são tudo invenções dos antigos" existem maus momentos na vida que nos levam a crer "ah isso deve ser bruxedo". Por mais que nos queiramos abstrair e aproximar-mo-nos da era da ciência surge sempre o tentar explicar o inexplicável por superstições.

    Um excerto que não concordo foi o "era da ciência"...Estamos sim nela há bastantes anos e cada vez mais, mas não nos vamos esquecer que, a ciência não consegue explicar tudo e tudo que ela explica, mais cedo ou mais tarde, pode vir a ser refutado. Por isso, apelar à ciência ou justificar a superstição pelo uso da razão, é algo que não é de todo correcto.

    ResponderEliminar
  2. Olá, eu imagino que todos nós temos agum tipo de supertição, pelo menos no subconciente. Evidentemente, outras pessoas têm de forma explícita.

    Abraços

    ResponderEliminar
  3. Muito bom o tema e a exposição.
    "Yo no creo en brujas, pero que las hay, las hay".
    Certa feita Niels Bohr, o grande pioneiro da ciência quântica, foi pego em flagrante: tinha pregado uma ferradura na porta:
    -Mas Bohr, você é supersticioso?
    - Ora, é claro que não! Mas dizem que ela dá sorte até para quem não acredita, então pendurei ela aí.

    ResponderEliminar
  4. hummm eu só me sinto incomodada com inveja, aquele olhar malicioso acompanhado de uma frase de arrepiar, então, cuidado, pode ser uma pegadinha do destino.

    ResponderEliminar
  5. acho que não tenho muitas superstições, muitas vezes seja só o fato de ter tanto medo de algo que faz aquilo acontecer, o poder da nossa mente é maior que imaginamos

    ResponderEliminar

Leia as regras:
Todos os comentários são lidos e moderados previamente.
São publicados aqueles que respeitam as regras abaixo:

- O seu comentário precisa ter relação com o assunto do post;
- Em hipótese alguma faça propaganda de outros blogs ou sites;
- Não inclua links desnecessários no conteúdo do seu comentário;
- Se quiser deixar a sua URL, comente usando a opção OpenID.

O estado do tempo

Tempo Lisboa

Veja também outros links:

Parceiros

Tedioso: Os melhores links Uêba - Os Melhores Links À toa na Net Seus links em um só lugar!
Está no seu momento de descanso né? Entao clique aqui!